Fale conosco Anuncie Publicidade Sobre o Met@lica
OBRAS ARTIGOS TÉCNICOS MATERIAIS E PRODUTOS FORNECEDORES TABELAS EVENTOS CURSOS NOTÍCIAS
Outro formato

Europeus investem na construção de hotéis no Nordeste

Depois de uma primeira onda de investimentos hoteleiros no Nordeste na década de 90, quando europeus chegaram basicamente como gestores ou fazendo pequenas aquisições de hotéis já existentes, desta vez eles estão investindo pesado na construção de novos e grandes empreendimentos.



Europeus investem na construção de hotéis no Nordeste

Até 2007, 19 redes hoteleiras que já operam ou pretendem se instalar no País deverão inaugurar 23 novos empreendimentos, a maior parte no segmento de resorts. Apenas no litoral norte da Bahia, em uma faixa de 85 quilômetros ao norte de Salvador, quatro novos mega resorts irão representar uma injeção de R$ 1,2 bilhão no Estado.

Os grupos portugueses Vila Galé e Reta Atlântico, o espanhol Iberostar e o italiano Oríssio planejam resorts sofisticados para aquela que é considerada a faixa mais cobiçada do litoral nordestino, disputando um lugar ao sol com os já bem-sucedidos Praia do Forte e Costa do Sauípe, de capital nacional.

Levantamento feito para o Estado pelas consultoras Eny Amazonas e Lilian Goldner, autoras do "Raio X da Hotelaria Brasileira", mostra que, de 43 redes hoteleiras em funcionamento no Nordeste, 17 são internacionais. Elas administram 51 empreendimentos, ou 49% do mercado, e têm ambições muito maiores do que os grupos nacionais.

Até 2007, a projeção é de um crescimento de 58,6% nos empreendimentos internacionais, ante 17% nos nacionais. "Dentro de três anos, pelo menos 19 grupos deverão estar operando na região, com 74 empreendimentos", acredita Eny. Se confirmados os investimentos anunciados pelos grupos internacionais, a participação das redes estrangeiras no mercado nordestino deve saltar de 49% para 57%.

A consolidação do Nordeste como um grande destino turístico pode ser notada na comparação dos investimentos (nacionais e internacionais) previstos para a região com o resto do País. De 2004 a 2007, projeta-se um crescimento de 37,61% no número de leitos no Nordeste. A média nacional para o período é estimada em 21%.

Além de cobiçarem o turista doméstico, esses grupos costumam atrair clientes de seus países de origem. Contam, para isso, com redes próprias ou parceiras de operadores e agentes de viagem. É o caso do grupo Iberostar, que inaugura sua presença no País este ano com o início da construção de um mega resort de US$ 200 milhões na Praia do Forte: serão quatro hotéis e um campo de golfe, entre outras atrações espalhadas em uma área de 2 milhões de metros quadrados e um quilômetro de praia.

Além de administrar 75 hotéis pelo mundo, o grupo espanhol é dono de uma grande operadora (Iberojet), uma rede com mais de 450 agências (Viajes Iberia) e sócio de diversas agências européias, como Thomas Cook. A empresa possui ainda uma companhia aérea para vôos fretados, a Iberoworld, com 11 aviões de médio e longo portes.

"É natural que as redes estrangeiras tragam seus clientes habituais" , afirma Orlando Giglio, diretor comercial do grupo para o Brasil. Os esforços dos governos locais e do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) em ampliar o número de vôos fretados diretamente para o Nordeste também têm animado os novos investidores. No último verão, de dezembro a fevereiro, o número de vôos semanais fretados (charters) para a região aumentou em 133%, para 42, em relação ao verão anterior. Soma-se a isso a consolidação dos vôos diários da companhia portuguesa TAP, que traz passageiros de toda a Europa diretamente para Salvador, Recife, Fortaleza, em vôos que duram apenas seis horas. Uma nova freqüência, para Natal, três vezes por semana, acaba de ser inaugurada.

"Os europeus, e os portugueses e espanhóis em particular, estão aos poucos transformando o Brasil no principal destino de férias", avalia o consultor especializado na área Sérgio Bueno, da BSH Internacional. O número de turistas estrangeiros no País ainda é tímido, mas a tendência é de crescimento - e de concentração no Nordeste. Nos dois primeiros meses do ano, o desembarque internacional aumentou quase 19% em nível nacional, enquanto no Nordeste o crescimento foi de 87%. No ano passado, 4,1 milhões de estrangeiros desembarcaram no Brasil, 8,12% a mais do que em 2002.


Novos grupos

Além do Iberostar, o grupo Reta Atlântico também estréia no mercado brasileiro com um mega resort, que começa a ser construído no segundo semestre. Será um investimento de R$ 240 milhões, com três hotéis e um condomínio residencial, além de diversas atrações de lazer, em uma área de 130 hectares e um quilômetro de praia, na reserva Imbassaí, litoral norte da Bahia.

"O Brasil é um país com enormes perspectivas de crescimento e uma enorme carência de investimentos turísticos", afirma a diretora do grupo em Portugal Sandra André. Para o presidente do resort Costa do Sauípe, Alexandre Zubaran, a chegada da concorrência é boa para todos. "Quanto mais vacas, mais bezerros", brinca. "Esses novos empreendimentos irão ajudar a transformar a região em um cluster de resorts e consolidar a Bahia como um destino internacional." Apesar de ser o mais desenvolvido, a Bahia está longe de ser o único destino de investimentos estrangeiros.

O grupo Atlântica, que representa diversas bandeiras internacionais, acaba de inaugurar um hotel da marca Quality em Aracaju, um investimento de R$ 8 milhões. Em outubro, o grupo inaugura mais um Quality, em Natal, investimento de R$ 20 milhões que inclui italianos, nórdicos e brasileiros.

O grupo Pestana, que já conta com cinco hotéis no País, sendo dois no Nordeste (Natal e Salvador), planeja mais duas unidades na região. "Serão mini resorts, um em Porto de Galinhas, em Pernambuco, e outro no litoral sul da Bahia", afirma o diretor administrativo do grupo no Brasil, Luiz Araújo. O grupo, que já investiu R$ 194 milhões no País desde 1999, incluindo aí a compra do tradicional Meridien em Salvador, tem ainda um terreno em uma praia de Fortaleza, projeto que ainda está em fase de desenvolvimento. "Os europeus estão deixando de viajar para a Ásia e transformando o Brasil em um destino mundial para férias", diz Araújo.

(Fonte: O Estado de S Paulo - Economia - Pag B4 - 22.06.04)

Notícias

sesc pompeia de lina bo bardi e tombado pelo iphan
ARQUITETURA
Sesc Pompéia de Lina Bo Bardi é tombado pelo IPHAN
CONSTRUÇÃO CIVIL
Indicadores da construção são os piores da década
CURSOS
Projeto de Lajes Protendidas em Edifícios
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Novas ligas anticorrosão

lotus metal fornece ao mercado uma variedade de metais para a construcao e industria
EMPRESAS E PRODUTOS
Lotus Metal fornece ao mercado uma variedade de metais para a Construção e Indústria
ECONOMIA E MERCADO
Retrospectiva e projeções para o mercado de alumínio
CONSTRUÇÃO CIVIL
Telhas galvanizadas
ARQUITETURA
Galeria a céu aberto

leipzig glass hall
ARQUITETURA
Leipzig Glass Hall
CURSOS
ABNT - Primeiras turmas de 2015
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Proteção permanente
CURSOS
Curso Energia Solar Fotovoltaica